Mulher madura livre

Mulher madura que pegara a maca de uma praia A Bíblia madura da leitura da mulher na praia 2 Mulher madura feliz de 50 anos na praia Mulher adulta na praia em um chapéu com um cocktail perto dos caiaque coloridos Mulher madura feliz que senta-se na praia e na confecção de malhas Mulher madura na praia da tempestade Mulher desportiva madura em trens do roupa de banho na praia Mulher madura ... “A mulher ma dura não se sente velha, mas sim EXPERIENTE; A mulher madura não pega, ela TOCA; A mulher madura não a provoca já é PROVOC... Sorrindo mulher madura ao ar livre retrato. Retrato de mulher madura. Menina alegre segurando smartphone e mãe deitada na cama e sorrindo para a câmera. Retrato de uma mulher madura no parque. Linda mulher de meia-idade sentada no parque. Mulher madura bonita. Mulheres usando rosa para câncer de mama. Mulher Madura Jogging ao ar livre - Fotografia de stock A gray haired but youthful looking woman in her 50's smiles while getting some exercise in a nice nature park with paved trails. She wears athletic clothing and has a fit physique. Baixe estas Foto grátis sobre Mulher madura selvagem e livre, e descubra mais de 5 Milhão de fotos de arquivo profissionais no Freepik ID da foto stock livre de direitos: 717416971. Retrato de bela mulher madura sentada no café. Mulher sorridente hispânico feliz sentado em um banco na cafeteria ao ar livre olhando para a câmera. Retrato de mulher despreocupada relaxando no banco. Sorrindo mulher madura ao ar livre retrato. Retrato de mulher madura. Retrato de uma mulher madura no parque. Foco seletivo de mãe alegre e filha sentados na mesa da cozinha e tomando café da manhã ... A MULHER MADURA não coloca algemas, ela os deixa LIVRE. A MULHER MADURA não enfeitiça, ela ENCANTA. A MULHER MADURA não é decidida, ela apenas sabe O QUE QUER. A MULHER MADURA não é exigente, ela é SELETIVA. A MULHER MADURA não se senti velha, ela se considera EXPERIENTE. A MULHER MADURA não se lamenta, ela tenta fazer DIFERENTE. mulher madura, olhar, dela, foto, um Filme - Fotosearch Footage. k5957765 Fotosearch Banco de Imagens te ajuda encontrar a foto perfeita, rapidamente! Nosso mecanismo de busca possui 61.400.000 fotografias royalty free e 343.000 vídeos digitais, vídeo clipes, imagens de vetores clipart, fotos clipart, gráficos de planos de fundo, ilustrações médicas e mapas. sorrindo, mulher madura, ao ar livre, retrato Banco de Imagem - Fotosearch Enhanced. k10553798 Fotosearch Banco de Imagens te ajuda encontrar a foto perfeita, rapidamente! Nosso mecanismo de busca possui 59.800.000 fotografias royalty free e 354.000 vídeos digitais, vídeo clipes, imagens de vetores clipart, fotos clipart, gráficos de planos de fundo, ilustrações médicas e mapas.

Não sei o que fazer

2020.08.14 16:07 professorrenan Não sei o que fazer

Bom eu tenho uma relação de quase 3 anos com minha atual namorada/ esposa moramos juntos, atualmente ela tem 32 anos e eu 26.Quando conheci ela, ela era incrível sabe uma pessoa totalmente diferente de todas que conheci, uma mulher madura, independente, sabe alguém livre, era o que eu precisava uma parceira de verdade, eu havia tido uma relação anterior de 4 anos com alguém que me deixou muito mal porque eu era mais pai dela que namorado ,minha ex foi diagnosticada com transtorno de personalidade bipolar, ajudei a cuidar dela mais terminamos porque já não existia mais amor, hoje ela está bem e em tratamento eu desejo que ela encontre alguém que ame ela muito porque eu não era capaz. Voltando a minha atual os nossos primeiros 6 meses de relação foram sabe puxa tudo que eu sempre pedi algo único, porém em 2018 eu praticamente morava na casa dos pais dela com ela aí foi onde tudo pioro, ela perdeu o emprego e como os pais sempre mantiveram ela numa situação boa ela não foi atrás de outro, aí ela tinha ENXAQUECA crônica então fomos atrás de tratamento então durante o ano de 2018 foi assim, entre tratamento e crises e nossa relação ficando de lado, aí veio 2019 nos dois somos professores aí ela falou que ia voltar a dar aula , só que aí uma depressão que ela já tinha desde os 18anos voltou e 2019 começamos a tratar a depressão, a gente resolveu alugar uma casa para ela sair da casa dos pais e assim ser mais independente só que ela não conseguia trabalhar tinha fobia, não conseguia dar aula e nem conseguia trabalhar em outra coisa, eu fui acumulando função além de dar aula cuidava da casa, limpava cozinhava. Começamos 2020 devido a tudo isso eu tive que começar a tratar ansiedade, nossa relação praticamente não existia porque mesmo com medicação e tratamento a mais ou menos 1 ano ela não melhora sabe ou eu não vejo porque eu ainda acúmulo tudo limpo, cozinho e como ela resolveu dar muito menos aula que eu ganho mais e acabo pagando muito mais e ficando no vermelho, ela quando precisa corre para o pai dela. Bom tem mais um detalhe desde janeiro de 2020 eu não falo com a família dela porque eu fui conversa com eles explicar a depressão dela eles brigaram comigo a ponto do pai dela quase me matar com uma faca ele só não me matou porque ela entrou na frente e segurou ele, eu fiz boletim de ocorrência mais não levei o processo por pedido dela e medo do pai ir para a prisão. Eu já não sei mais se consigo continuar é como se eu tivesse me apaixonado por alguém que não existe ou que sumiu, ela já tem tratamento, o pai paga todo tratamento medicação e mesmo assim não tem melhora eu não consigo encontrar aquela mulher que conheci e isso me dói não sei o que fazer eu cuidei de tudo e de tanta coisa que não sei mais se amo ela.
submitted by professorrenan to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.14 15:06 professorrenan Dilema

Bom eu tenho uma relação de quase 3 anos com minha atual namorada/ esposa moramos juntos, atualmente ela tem 32 anos e eu 26.Quando conheci ela, ela era incrível sabe uma pessoa totalmente diferente de todas que conheci, uma mulher madura, independente, sabe alguém livre, era o que eu precisava uma parceira de verdade, eu havia tido uma relação anterior de 4 anos com alguém que me deixou muito mal porque eu era mais pai dela que namorado ,minha ex foi diagnosticada com transtorno de personalidade bipolar, ajudei a cuidar dela mais terminamos porque já não existia mais amor, hoje ela está bem e em tratamento eu desejo que ela encontre alguém que ame ela muito porque eu não era capaz. Voltando a minha atual os nossos primeiros 6 meses de relação foram sabe puxa tudo que eu sempre pedi algo único, porém em 2018 eu praticamente morava na casa dos pais dela com ela aí foi onde tudo pioro, ela perdeu o emprego e como os pais sempre mantiveram ela numa situação boa ela não foi atrás de outro, aí ela tinha ENXAQUECA crônica então fomos atrás de tratamento então durante o ano de 2018 foi assim, entre tratamento e crises e nossa relação ficando de lado, aí veio 2019 nos dois somos professores aí ela falou que ia voltar a dar aula , só que aí uma depressão que ela já tinha desde os 18anos voltou e 2019 começamos a tratar a depressão, a gente resolveu alugar uma casa para ela sair da casa dos pais e assim ser mais independente só que ela não conseguia trabalhar tinha fobia, não conseguia dar aula e nem conseguia trabalhar em outra coisa, eu fui acumulando função além de dar aula cuidava da casa, limpava cozinhava. Começamos 2020 devido a tudo isso eu tive que começar a tratar ansiedade, nossa relação praticamente não existia porque mesmo com medicação e tratamento a mais ou menos 1 ano ela não melhora sabe ou eu não vejo porque eu ainda acúmulo tudo limpo, cozinho e como ela resolveu dar muito menos aula que eu ganho mais e acabo pagando muito mais e ficando no vermelho, ela quando precisa corre para o pai dela. Bom tem mais um detalhe desde janeiro de 2020 eu não falo com a família dela porque eu fui conversa com eles explicar a depressão dela eles brigaram comigo a ponto do pai dela quase me matar com uma faca ele só não me matou porque ela entrou na frente e segurou ele, eu fiz boletim de ocorrência mais não levei o processo por pedido dela e medo do pai ir para a prisão. Eu já não sei mais se consigo continuar é como se eu tivesse me apaixonado por alguém que não existe ou que sumiu, ela já tem tratamento, o pai paga todo tratamento medicação e mesmo assim não tem melhora eu não consigo encontrar aquela mulher que conheci e isso me dói não sei o que fazer eu cuidei de tudo e de tanta coisa que não sei mais se amo ela.
submitted by professorrenan to desabafos [link] [comments]


2020.04.02 01:03 capybaranaranja Como o mundo cuidará da pandemia de coronavírus A pandemia mudará o mundo para sempre: Pedimos a 12 principais pensadores globais suas previsões. Foreign Policy

*Esse post é o artigo completo da revista Foreign Policy, que serviu de inspiração essa análise em vídeo do Meteoro Brasil, "O Mundo Depois da Crise". (que serve como TL;DR)
Como a queda do Muro de Berlim ou o colapso do Lehman Brothers, a pandemia de coronavírus é um evento de abalar o mundo cujas conseqüências de longo alcance só podemos começar a imaginar hoje.
Isso é certo: assim como esta doença destruiu vidas, perturbou mercados e expôs a competência (ou a falta dela) dos governos, ela levará a mudanças permanentes no poder político e econômico de maneiras que se tornarão aparentes apenas mais tarde.
Para nos ajudar a entender o terreno mudando sob nossos pés à medida que a crise se desenrola, a Política Externa pediu a 12 principais pensadores de todo o mundo que avaliassem suas previsões para a ordem global após a pandemia.
Um mundo menos aberto, próspero e livre
de Stephen M. Walt
A pandemia fortalecerá o estado e reforçará o nacionalismo. Governos de todos os tipos adotarão medidas emergenciais para administrar a crise, e muitos relutarão em renunciar a esses novos poderes quando a crise terminar.
O COVID-19 também acelerará a mudança de poder e influência do Ocidente para o Oriente. A Coréia do Sul e Cingapura responderam melhor e a China reagiu bem após seus erros iniciais. A resposta na Europa e na América tem sido lenta e aleatória em comparação, manchando ainda mais a aura da "marca" ocidental.
O que não vai mudar é a natureza fundamentalmente conflituosa da política mundial. Pragas anteriores não acabaram com a rivalidade das grandes potências nem deram início a uma nova era de cooperação global. Pragas anteriores - incluindo a epidemia de gripe de 1918-1919 - não acabaram com a rivalidade das grandes potências nem deram início a uma nova era de cooperação global. Nem COVID-19. Veremos um recuo adicional da hiperglobalização, à medida que os cidadãos buscam os governos nacionais para protegê-los e enquanto estados e empresas buscam reduzir futuras vulnerabilidades.
Em resumo, o COVID-19 criará um mundo menos aberto, menos próspero e menos livre. Não precisava ser assim, mas a combinação de um vírus mortal, planejamento inadequado e liderança incompetente colocou a humanidade em um caminho novo e preocupante.
O fim da globalização como a conhecemos
por Robin Niblett
A pandemia de coronavírus pode ser a palha que quebra as costas do camelo na globalização econômica.
O crescente poder econômico e militar da China já havia provocado uma determinação bipartidária nos Estados Unidos de separar a China da alta tecnologia e propriedade intelectual de origem americana e tentar forçar os aliados a seguir o exemplo. O aumento da pressão pública e política para cumprir as metas de redução de emissões de carbono já havia questionado a dependência de muitas empresas de cadeias de suprimentos de longa distância. Agora, o COVID-19 está forçando governos, empresas e sociedades a fortalecer sua capacidade de lidar com longos períodos de auto-isolamento econômico.
Parece altamente improvável, neste contexto, que o mundo retorne à idéia de globalização mutuamente benéfica que definiu o início do século XXI. E sem o incentivo para proteger os ganhos compartilhados da integração econômica global, a arquitetura da governança econômica global estabelecida no século 20 se atrofiará rapidamente. Será necessária uma enorme autodisciplina para os líderes políticos sustentarem a cooperação internacional e não recuarem para uma competição geopolítica aberta.
Provar aos cidadãos que eles podem administrar a crise do COVID-19 comprará aos líderes algum capital político. Mas aqueles que falham terão dificuldade em resistir à tentação de culpar os outros por seu fracasso.
Uma globalização mais centrada na China
por Kishore Mahbubani
A pandemia do COVID-19 não alterará fundamentalmente as direções econômicas globais. Isso apenas acelerará uma mudança que já havia começado: uma mudança da globalização centrada nos EUA para uma globalização mais centrada na China.
Isso apenas acelerará uma mudança que já havia começado: uma mudança da globalização centrada nos EUA para uma globalização mais centrada na China.
Por que essa tendência continuará? A população americana perdeu a fé na globalização e no comércio internacional. Os acordos de livre comércio são tóxicos, com ou sem o presidente dos EUA, Donald Trump. Por outro lado, a China não perdeu a fé. Por que não? Existem razões históricas mais profundas. Os líderes chineses agora sabem bem que o século de humilhação da China de 1842 a 1949 foi resultado de sua própria complacência e de um esforço fútil de seus líderes para separá-lo do mundo. Por outro lado, as últimas décadas de ressurgimento econômico foram resultado do engajamento global. O povo chinês também experimentou uma explosão de confiança cultural. Eles acreditam que podem competir em qualquer lugar.
Consequentemente, ao documentar em meu novo livro, Has Won China ?, os Estados Unidos têm duas opções. Se seu objetivo principal é manter a primazia global, ele terá que se envolver em uma disputa geopolítica de soma zero, política e economicamente, com a China. No entanto, se o objetivo dos Estados Unidos é melhorar o bem-estar do povo americano - cuja condição social se deteriorou -, ele deve cooperar com a China. Um conselho mais sábio sugeriria que a cooperação seria a melhor escolha. No entanto, dado o ambiente político tóxico dos EUA em relação à China, conselhos mais sábios podem não prevalecer.
Democracias sairão da sua concha
por G. John Ikenberry
No curto prazo, a crise dará combustível a todos os campos do grande debate sobre estratégia ocidental. Os nacionalistas e anti-globalistas, os falcões da China e até os internacionalistas liberais verão novos indícios da urgência de seus pontos de vista. Dado o dano econômico e o colapso social que está se desenrolando, é difícil ver algo além de um reforço do movimento em direção ao nacionalismo, rivalidade entre grandes potências, dissociação estratégica e coisas do gênero.
Assim como nas décadas de 30 e 40, também pode haver uma contracorrente de evolução mais lenta. Mas, como nas décadas de 30 e 40, também pode haver uma contracorrente de evolução mais lenta, uma espécie de internacionalismo obstinado semelhante ao que Franklin D. Roosevelt e alguns outros estadistas começaram a se articular antes e durante a guerra. O colapso da economia mundial na década de 1930 mostrou como as sociedades modernas estavam conectadas e quão vulneráveis ​​eram ao que FDR chamava de contágio. Os Estados Unidos foram menos ameaçados por outras grandes potências do que pelas forças profundas - e pelo caráter do Dr. Jekyll e Hyde - da modernidade. O que FDR e outros internacionalistas conjuraram foi uma ordem do pós-guerra que reconstruiria um sistema aberto com novas formas de proteção e capacidades para gerenciar a interdependência. Os Estados Unidos não podiam simplesmente se esconder dentro de suas fronteiras, mas para operar em uma ordem aberta do pós-guerra exigia a construção de uma infraestrutura global de cooperação multilateral.
Assim, os Estados Unidos e outras democracias ocidentais podem viajar por essa mesma sequência de reações impulsionadas por um sentimento em cascata de vulnerabilidade; a resposta pode ser mais nacionalista a princípio, mas, a longo prazo, as democracias sairão de suas conchas para encontrar um novo tipo de internacionalismo pragmático e protetor.
Lucros mais baixos, mas mais estabilidade
de Shannon K. O’Neil
O COVID-19 está minando os princípios básicos da fabricação global. As empresas agora repensam e encolhem as cadeias de suprimentos multipasso e multinacionais que dominam a produção atualmente.
As cadeias de suprimentos globais já estavam sendo atacadas econômica e politicamente. As cadeias de suprimentos globais já estavam sendo afetadas - economicamente, devido ao aumento dos custos trabalhistas chineses, à guerra comercial do presidente dos EUA, Donald Trump, e aos avanços em robótica, automação e impressão 3D, e também politicamente, devido a perdas reais e percebidas de empregos, especialmente em economias maduras. O COVID-19 agora quebrou muitos desses vínculos: o fechamento de fábricas em áreas afetadas deixou outros fabricantes - assim como hospitais, farmácias, supermercados e lojas de varejo - desprovidos de estoques e produtos.
Do outro lado da pandemia, mais empresas exigirão saber mais sobre a origem de seus suprimentos e trocarão a eficiência por redundância. Os governos também intervirão, forçando o que consideram indústrias estratégicas a ter planos e reservas de backup doméstico. A lucratividade cairá, mas a estabilidade da oferta deverá aumentar.
Esta pandemia pode servir a um propósito útil
por Shivshankar Menon
Ainda é cedo, mas três coisas parecem aparentes. Primeiro, a pandemia de coronavírus mudará nossa política, tanto dentro dos estados quanto entre eles. É ao poder do governo que as sociedades - mesmo os libertários - se voltam. O relativo sucesso do governo em superar a pandemia e seus efeitos econômicos exacerbará ou diminuirá os problemas de segurança e a recente polarização nas sociedades. De qualquer maneira, o governo está de volta. A experiência até agora mostra que os autoritários ou populistas não são melhores em lidar com a pandemia. De fato, os países que responderam cedo e com sucesso, como Coréia e Taiwan, foram democracias - não aqueles dirigidos por líderes populistas ou autoritários.
Este ainda não é o fim de um mundo interconectado. A própria pandemia é prova de nossa interdependência.
Em segundo lugar, ainda não é o fim de um mundo interconectado. A própria pandemia é prova de nossa interdependência. Mas em todas as políticas, já existe uma virada para dentro, uma busca por autonomia e controle do próprio destino. Estamos caminhando para um mundo mais pobre, mais cruel e menor.
Finalmente, há sinais de esperança e bom senso. A Índia tomou a iniciativa de convocar uma videoconferência de todos os líderes do sul da Ásia para criar uma resposta regional comum à ameaça. Se a pandemia nos levar a reconhecer nosso interesse real em cooperar multilateralmente nos grandes problemas globais que enfrentamos, ela terá servido a um propósito útil.
O poder americano precisará de uma nova estratégia
por Joseph S. Nye, Jr.
Em 2017, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou uma nova estratégia de segurança nacional que se concentra na competição por grandes potências. O COVID-19 mostra que essa estratégia é inadequada. Mesmo se os Estados Unidos prevalecerem como uma grande potência, não poderão proteger sua segurança agindo sozinhos.
Como Richard Danzig resumiu o problema em 2018: “As tecnologias do século XXI são globais não apenas em sua distribuição, mas também em suas conseqüências. Patógenos, sistemas de IA, vírus de computador e radiação que outros podem acidentalmente liberar podem se tornar tanto o nosso problema quanto o deles. Sistemas de relatórios acordados, controles compartilhados, planos de contingência comuns, normas e tratados devem ser adotados como meio de moderar nossos numerosos riscos mútuos. ”
Sobre ameaças transnacionais como o COVID-19 e as mudanças climáticas, não basta pensar no poder americano sobre outras nações. A chave do sucesso também é aprender a importância do poder com os outros. Todo país coloca seu interesse nacional em primeiro lugar; a questão importante é quão amplo ou estreitamente esse interesse é definido. O COVID-19 mostra que estamos falhando em ajustar nossa estratégia para este novo mundo.
A história do COVID-19 será escrita pelos vencedores
por John Allen
Como sempre foi, a história será escrita pelos “vencedores” da crise do COVID-19. Toda nação, e cada vez mais todo indivíduo, está experimentando a tensão social desta doença de maneiras novas e poderosas. Inevitavelmente, os países que perseverarem - tanto em virtude de seus sistemas políticos e econômicos únicos, quanto na perspectiva da saúde pública - terão sucesso sobre aqueles que experimentam um resultado diferente e mais devastador. Para alguns, isso parecerá um grande e definitivo triunfo para a democracia, o multilateralismo e o atendimento universal à saúde. Para outros, mostrará os "benefícios" claros de um governo autoritário decisivo. Para alguns, isso parecerá um grande e definitivo triunfo para a democracia. Para outros, mostrará os "benefícios" claros do regime autoritário.
De qualquer maneira, essa crise irá reorganizar a estrutura internacional de poder de maneiras que apenas podemos começar a imaginar. O COVID-19 continuará deprimindo a atividade econômica e aumentando a tensão entre os países. A longo prazo, a pandemia provavelmente reduzirá significativamente a capacidade produtiva da economia global, especialmente se as empresas fecharem e os indivíduos se separarem da força de trabalho. Esse risco de deslocamento é especialmente grande para os países em desenvolvimento e outros com uma grande parcela de trabalhadores economicamente vulneráveis. O sistema internacional, por sua vez, sofrerá grande pressão, resultando em instabilidade e conflito generalizado dentro e entre países.
Uma nova etapa dramática no capitalismo global
por Laurie Garrett
O choque fundamental para o sistema financeiro e econômico do mundo é o reconhecimento de que as cadeias de suprimentos e redes de distribuição globais são profundamente vulneráveis ​​a interrupções. A pandemia de coronavírus, portanto, não só terá efeitos econômicos duradouros, como também levará a uma mudança mais fundamental.
A globalização permitiu que as empresas cultivassem manufaturas em todo o mundo e entregassem seus produtos no mercado just-in-time, evitando os custos de armazenagem. Os estoques que ficavam nas prateleiras por mais de alguns dias eram considerados falhas de mercado. O suprimento precisava ser adquirido e enviado em um nível global cuidadosamente orquestrado. O COVID-19 provou que os patógenos podem não apenas infectar as pessoas, mas envenenar todo o sistema just-in-time.
Dada a escala de perdas do mercado financeiro que o mundo experimentou desde fevereiro, é provável que as empresas saiam dessa pandemia decididamente envergonhada pelo modelo just-in-time e pela produção globalmente dispersa. O resultado pode ser um novo estágio dramático no capitalismo global, no qual as cadeias de suprimentos são trazidas para mais perto de casa e preenchidas com redundâncias para proteger contra interrupções futuras. Isso pode reduzir os lucros de curto prazo das empresas, mas tornar todo o sistema mais resistente.
Estados mais falidos
por Richard N. Haass
Permanente não é uma palavra de que gosto, como pouco ou nada, mas acho que a crise do coronavírus levará, pelo menos por alguns anos, a maioria dos governos a se voltar para dentro, concentrando-se no que ocorre dentro de suas fronteiras e não sobre o que acontece além deles. Prevejo maiores movimentos em direção à auto-suficiência seletiva (e, como resultado, dissociação), dada a vulnerabilidade da cadeia de suprimentos; oposição ainda maior à imigração em larga escala; e uma disposição ou compromisso reduzidos para enfrentar problemas regionais ou globais (incluindo as mudanças climáticas), dada a necessidade percebida de dedicar recursos para reconstruir em casa e lidar com as conseqüências econômicas da crise. Muitos países terão dificuldade em se recuperar, com a fraqueza do Estado e Estados falidos se tornam ainda mais prevalentes.
Eu esperaria que muitos países tenham dificuldade em se recuperar da crise, com a fraqueza do estado e os estados falidos se tornando uma característica ainda mais prevalente no mundo. A crise provavelmente contribuirá para a contínua deterioração das relações sino-americanas e o enfraquecimento da integração européia. Do lado positivo, devemos ver um fortalecimento modesto da governança global da saúde pública. Mas, no geral, uma crise enraizada na globalização enfraquecerá ao invés de aumentar a vontade e a capacidade do mundo de lidar com ela.
Os Estados Unidos falharam no teste de liderança
por Kori Schake
Os Estados Unidos não serão mais vistos como um líder internacional. Os Estados Unidos não serão mais vistos como um líder internacional devido ao estreito interesse próprio de seu governo e à incompetência confusa. Os efeitos globais dessa pandemia poderiam ter sido bastante atenuados se as organizações internacionais fornecessem mais e mais informações anteriores, o que daria aos governos tempo para preparar e direcionar recursos para onde eles são mais necessários. Isso é algo que os Estados Unidos poderiam ter organizado, mostrando que, embora seja de interesse próprio, não é apenas de interesse próprio. Washington falhou no teste de liderança e o mundo está em pior situação.
Em todos os países, vemos o poder do espírito humano
de Nicholas Burns
A pandemia do COVID-19 é a maior crise global deste século. Sua profundidade e escala são enormes. A crise da saúde pública ameaça cada uma das 7,8 bilhões de pessoas na Terra. A crise financeira e econômica poderia exceder em seu impacto a grande recessão de 2008-2009. Cada crise sozinha poderia causar um choque sísmico que muda permanentemente o sistema internacional e o equilíbrio de poder como o conhecemos. Isso dá esperança de que homens e mulheres em todo o mundo possam prevalecer em resposta a esse desafio extraordinário.
Até o momento, a colaboração internacional tem sido lamentavelmente insuficiente. Se os Estados Unidos e a China, os países mais poderosos do mundo, não puderem deixar de lado sua guerra de palavras sobre qual deles é responsável pela crise e liderar com mais eficácia, a credibilidade de ambos os países poderá diminuir significativamente. Se a União Europeia não puder fornecer assistência mais direcionada a seus 500 milhões de cidadãos, os governos nacionais poderão recuperar mais poder de Bruxelas no futuro. Nos Estados Unidos, o que está mais em jogo é a capacidade do governo federal de fornecer medidas eficazes para conter a crise.
Em todos os países, no entanto, existem muitos exemplos do poder do espírito humano - de médicos, enfermeiros, líderes políticos e cidadãos comuns demonstrando resiliência, eficácia e liderança. Isso fornece esperança de que homens e mulheres em todo o mundo possam prevalecer em resposta a esse desafio extraordinário.
submitted by capybaranaranja to brasil [link] [comments]


2020.01.21 02:31 praqueviver Tem jeito de me conformar e viver feliz sendo um fracassado?

Não sei nem por onde começar nesse texto, só quero por pra fora. O que eu sou? Um cara velho. Me sinto velho pq não fiz nada, não vivi nada. Tenho 35 anos. Não parece ser muito mas pra quem não fez nada parece que é tarde demais pra tudo. Sempre fui exquisito socialmente, devo ter algum grau de autismo. Nunca tive relacionamento, e odeio pensar nas chances que tive e não consegui viver por causa que sou falho na cabeça. Não culpo minha aparência muito, ja vi gente pior sendo feliz em relacionamento, meu único defeito é ter a cabeça zuada.
Minha mãe é meio assim também, esquisita socialmente. As vezes vem na minha cabeça que veio dela essa esquisitice mental e eu tenho raiva de mim mesmo por sentir esse rancor. Não quero pensar assim. Quero ser estóico e simplesmente aceitar que a vida é assim. Ela gosta de ficar em casa, igual eu. Ela é do lar, não sabe trabalhar de nada. Meu pai não é mais presente na nossa vida. Ela é minha dependente.
Estudei computação e fui trabalhar de programador. A remuneração é ok, mas não consigo pagar um plano de saúde pra minha mãe. Não consigo manter um carro. Na verdade conseguiria, mas dai não sobrava dinheiro, e estou juntando pra caso aconteça algo com a minha mãe e precise pagar médico particular.
Sou um programador bem medíocre, faço o que mandam e fica por isso mesmo. O motivo desse desabafo é por isso, na verdade. Nesse começo de ano teve o reporte de desempenho que os cabeças fazem dos funcionários, e fui avaliado como abaixo da média. Trabalho como dev junior, já fazem uns 5 anos. Olha o nível do fracasso, tenho 35 anos... só trabalhei de programador na vida e não consegui subir de junior pra pleno. Depois desse feedback me senti um merda total. Sou um completo inútil, queria morrer, desaparecer. Como pode um cara fracassar desse jeito? Só tenho uma missão na vida que é cuidar da minha mãe e nem isso consigo fazer direito.
Me bateu uma ansiedade enorme de ser demitido, o que eu vou fazer da vida sem um emprego, como vou cuidar da minha mãe? Eu nessa idade devia ser pleno quase senior, vários colegas da faculdade estão trabalhando no exterior. Agora nesse momento queria poder desaparecer, única coisa que me segura nesse mundo é minha mãe. Queria ver ela feliz. O dia que ela morrer estou livre pra deixar essa vida... morro de medo desse dia, já sofro por antecipação pensando na minha mãe velha falecendo.
Racionalmente eu sei que a situação não é tão desesperadora, acho que conseguiria um trabalho em caso de demissão, provavelmente ganhando menos. Mas dá medo de ficar sem emprego por muito tempo. E o pior é a sensação de ser um merda mesmo, de não conseguir desempenhar tão bem quanto meus colegas de trabalho. Porque sou burro assim? Porque a cabeça deles funciona melhor que a minha? Sou um ser bugado, queria ser melhor. To velho, acho que minha carreira tá condenada... será que busco outra área? Não sei mais o que posso fazer. Deveria procurar alguma coisa simples que gente não tão inteligente igual eu consegue ir bem. Ainda dá tempo? Não sei, tenho medo de tentar e fracassar mais ainda. Mas o que eu vou fazer quando virar um programador medíocre velho e inempregável?
Da onde vem a vontade de ser melhor? Da onde vem a ambição? Minha vontade era ficar num trabalho meia boca o resto da vida sem precisar me esforçar muito. A vontade é essa mas também queria ser melhor, queria não querer mediocridade. Queria ser ambicioso, queria ter sede de sucesso. Ao invés disso no meu tempo livre eu fico em casa jogando videogame. Acho que sou viciado no escape da realidade. A melhor coisa do mundo é esquecer a vida por alguns momentos. É uma delicia. Minha força de vontade é ridícula, sou um procrastinador nato. Quem tem força de vontade já nasce com isso? Foi minha criação que foi ruim? Sou fraco da cabeça.
Não queria ser sozinho. Queria ter uma família, filhos. Queria querer ter uma familia e filhos. Tenho 35 anos. O que eu quero é ficar jogando videogame. Sou imaturo, queria querer ser adulto e fazer coisas de adulto. Eu instalei apps de paquera. As mulheres da minha idade que eu vejo são maduras e sérias. Que mulher iria querer um relacionamento com um cara que nem eu? Sou uma criança num corpo de adulto. Que saudade da infãncia, cara. To velho, ser adulto é uma merda. Passou meu tempo, sinto que é tarde demais.
Tem como ser feliz sendo um fracassado? Eu quero parar de sentir essa ansiedade, essa tristeza e decepção comigo mesmo. Queria ser feliz mesmo sendo um merda.
Acho que não esperava escrever tanto. Obrigado pra quem leu até aqui.
submitted by praqueviver to desabafos [link] [comments]


2019.12.29 03:12 altovaliriano Asha Greyjoy

Asha é a terceira criança e única filha mulher de Balon Greyjoy e Alannys Harlaw. Ela era um criança que não chamava a atenção, mas cresceu para se tornar uma mulher atraente e ousada, que não gostava da idéia de se tornar esposa de um Senhor, mas titular do direito à Cadeira de Pedra do Mar.
Quando Theon deixou as Ilhas de Ferro, a imagem que tinha de Asha era uma garota com “um nariz que mais parecia um bico de abutre, uma colheita madura de espinhas, e não tinha mais peito do que um rapaz” (ACOK, Theon II). Mas nenhum tipo de observação é feita sobre seu comportamento. Não que Theon seja particularmente bom em observar ou julgar caráter. Mas ele é pego de surpresa quando Tio Aeron lhe apresenta a perspectiva de que Asha poderia estar na linha de sucessão:
– Ambos os meus irmãos estão mortos. Sou o único filho sobrevivente do senhor meu pai.
– Sua irmã está viva – Aeron nem sequer ofereceu a Theon a cortesia de um relance.
Asha, Theon pensou, confuso. Era três anos mais velha do que ele, mas, mesmo assim…
– Uma mulher só pode herdar se não houver nenhum herdeiro varão em linha direta – ele insistiu em voz alta. – Não aceitarei que me privem dos meus direitos, aviso.
O tio soltou um grunhido.
Avisa um servo do Deus Afogado, rapaz? Você se esqueceu mais do que pensa. E é um grande idiota se acredita que o senhor seu pai algum dia entregará estas ilhas sagradas a um Stark. E agora cale-se. A viagem já é suficientemente longa mesmo sem a sua tagarelice de pombo.
(ACOK, Theon I)
Olhando em retrospectiva, este é um diálogo que faz pouco sentido. Aeron se recusa a aceitar a pretensão de Asha em razão de seu sexo e não é o tipo de homem que faria joguinhos psicológicos com Theon. Talvez seja uma sinalização que Martin inicialmente pensava em armar menos resistência à sucessão de Asha. Talvez a idéia seria que ela assumisse o trono durante o (abandonado) salto temporal de 5 anos depois de Tormenta de Espadas e que Euron reapareceria para destroná-la.
De toda forma, Asha cresceu sem irmãos, mas foi criada pela mãe “para ser ousada” (AFFC, A Filha da Lula Gigante) e ainda menina era vista “atirando machados em uma porta” (AFFC, O Capitão de Ferro). Portanto, Asha desde cedo já podia ser contada como parte do seleto grupo de mulheres das Ilhas de Ferro que “tripulavam os dracares com seus homens, e dizia-se que o sal e o mar as modificavam, dando-lhes os apetites de um homem” (ACOK, Theon II).
A má aparência, porém, é algo que atormentou Asha durante o crescimento. De fato, durante a adolescência, a filha da Lula Gigante teve um curto romance com Tristifer Botley que, segundo Asha, provavelmente foi iniciado porque ambos tinha rostos “atormentados por espinhas” (Botley era um dos cinco protegidos da mãe de Asha, Alannys Harlaw, trazidos a Pyke para substituir os filhos perdidos com a Rebelião Greyjoy de 287 DC). O affair foi descoberto e Botley foi enviado de volta para Fidalporto. Mas a coincidência que aconteceu foi que ambos os adolescente complexados pelas acnes se tornaram adultos bonitos.
Quando conhecemos Asha em A Fúria dos Reis, GRRM demonstra a beleza de Asha fazendo com que Theon, sem saber que estava falando com a irmã, sinta-se imediatamente atraído por ela. O modo como Asha engana Theon revela como a garota sem predicados que ele conheceu na infância se tornou uma mulher independente e muito mais preparada para liderar com os Homens de Ferro do que ele.
O entrosamento entre Balon e Asha é tangível nos livros, de modo que o Rei Greyjoy não faz qualquer ressalva ou reserva sobre sua capacidade e direitos. Obviamente, a perspectiva de ser descartado em prol da irmã é o que acende o fogo do ciúme e vaidade de Theon, levando-o a tomar Winterfell.
Porém, o que Theon deixa passar despercebido é que Asha, por debaixo da persona arrogante, se deu ao trabalho de vir a Winterfell para tentar dissuadí-lo. Caso a relação de ambos tivesse começado em outro pé, talvez Theon não teria confundido a deferência com uma tentativa de ecarnecê-lo ou separá-lo de seu prêmio (o castelo dos Stark). Àquela altura este era até um erro desculpável da parte de Theon, pois até o leitor não entendia perfeitamente as intenções da irmã de Theon.
Quando Asha se torna POV em O Festim dos Corvos, entretanto, a pessoa que vemos é substancialmente diferente do que pensávamos. Asha é uma pessoa estranhamente sentimental.
Alguém que revela ter partido para a guerra com o “coração pesado” em deixar a mãe para trás porque temia que ela morresse em sua ausência. Alguém que, apesar do discurso bélico e entrosamento com o pai, “sempre se sentira em casa em Dez Torres, mais do que em Pyke”. Que dentre tantos modelos masculinos em seus tios paternos, preferia seu tio materno, Rodrik Harlaw, considerado menos viril, mas mais inteligente e melhor administrador. Alguém que, apesar de gostar de amores selvagens, importa-se com os sentimentos românticos de Tristifer Botley, a ponto de querer protegê-lo dela mesma ao invés de simplesmente enxotá-lo.
Em verdade, é curioso o efeito que o amor meloso de Tristifer tem sobre Asha. Na juventude, ela chegou a nutrir sentimentos por ele, mas algo mudou. Porém, mais do que simplesmente desapontada pela falta de ousadia de Botley, Asha foi acossada por uma investida diferente do rapaz:
[...] chamara aquilo de amor, até Tris começar a falar dos filhos que ela lhe daria; pelo menos uma dúzia de filhos, e, oh, algumas filhas também.
“Não quero uma dúzia de filhos”, dissera-lhe, aterrorizada. “Quero ter aventuras.”
(AFFC, A Filha da Lula Gigante)
Alguém poderia arguir que o terror de Asha era simplesmente o medo do compromisso. Afinal, Asha estava carregando o peso de ser herdeira de Balon e não poderia se ver ligada a um segundo filho delicado como Tristifer. Contudo, o contexto no qual essa afirmação foi é revelador. Asha parece estar aterrorizada com a perspectiva de ter filhos.
A julgar pelo histórico de Asha, ter filhos é provavelmente um empreendimento a ser evitado. Sua mãe teve cinco filhos e a perda de 4/5 deles a transformou em outra pessoa. Uma pessoa fraca:
Alannys Harlaw nunca teve o tipo de beleza que os cantores apreciavam, mas a filha adorava seu rosto feroz e forte e o riso em seus olhos. Naquela última visita, porém, encontrara a Senhora Alannys num banco de janela, aninhada debaixo de uma pilha de peles, de olhos fitos no mar. Isto é a minha mãe, ou o seu fantasma?, lembrava-se de ter pensado ao beijá-la no rosto.
(AFFC, A Filha da Lula Gigante)
Esta constatação é interessante por conta dos últimos acontecimentos em A Dança dos Dragões. Asha Greyjoy tem um relacionamento brutal com um rapaz de aparência delicada, com quem ela transa antes de Stannis invadir e tomar Bosque Profundo. Asha estava à procura do meistre do castelo para tomar chá da lua e evitar engravidar de Qarl, mas a invasão faz com que ela se esqueça da situação. Portanto, há uma possibilidade de que Asha esteja grávida de Qarl, o Donzel.
Caso essas suspeitas tenham algum fundamento, algumas implicações práticas e narrativas envolvem:
  1. A pretensão deste filho de Asha à Cadeira de Pedra do Mar pode ser considerada mais qualificada do que a de Euron. “Filhos do sal podiam até mesmo ser herdeiros quando um homem não tinha filhos legítimos com sua esposa da rocha” (TWOIAF, As Ilhas de Ferro);
  2. Asha teria que enfrentar a temida gravidez durante o inverno do Norte;
  3. A lealdade cega de Tristifer Botley pode vir a calhar muito para Asha durante a gestação.
A questão é que Asha, mesmo que Asha decida levar esta gestação adiante, qualquer oposição ao Olho de Corvo, pedindo uma nova Assembléia de Homens Livres levaria necessariamente à guerra. Se esta não era uma perspectiva que agradava Asha em O Festim dos Corvos (ela fica feliz ao saber que Aeron convocou uma Assembléia), será uma perspectiva ainda menos atraente em Os Ventos do Inverno.
Declarações de GRRM
Perguntas
  1. Por que Aeron citou Asha como pretendente à Cadeira de Pedra do Mar em ACOK, mas a rejeitou em AFFC?
  2. Por que Asha tem mais afinidade com Tio Rodrik Harlaw do que com Balon Greyjoy?
  3. Asha realmente teme a gravidez em razão do que aconteceu com sua mãe?
  4. Asha deveria ter aceitado a proposta de Rodrik Harlaw e desistido da Cadeira de Pedra do Mar para se tornar herdeira de Dez Torres?
  5. Asha está grávida de Qarl o Donzel?
  6. Um filho de Asha poderia ter direito a Cadeira de Pedra do Mar? A pretensão seria melhor do que a de Euron?
  7. Você vê paralelos entre Asha Greyjoy e Rhaenyra Targaryen?
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


MULHER MADURA - LIVE!! MULHER MADURA - LIVE!! Sexo amador novinha sentando na rola - YouTube Mulher Madura MULHER MADURA - YouTube A patroa deixou o marido sozinho com a empregada olha no ... MULHER TRANSANDO EM MOTEL E VÍDEO VAZA NA INTERNET - YouTube Gostosa provocando na praia - YouTube É casada de mini saia - YouTube LIVE DA MULHER MADURA!!!

MULHER MADURA Espaço no Windows Live

  1. MULHER MADURA - LIVE!!
  2. MULHER MADURA - LIVE!!
  3. Sexo amador novinha sentando na rola - YouTube
  4. Mulher Madura
  5. MULHER MADURA - YouTube
  6. A patroa deixou o marido sozinho com a empregada olha no ...
  7. MULHER TRANSANDO EM MOTEL E VÍDEO VAZA NA INTERNET - YouTube
  8. Gostosa provocando na praia - YouTube
  9. É casada de mini saia - YouTube
  10. LIVE DA MULHER MADURA!!!

Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. SE INSCREVA NO MEU CANAL Anderson Augusto Moreno Email para contato [email protected] https://www.youtube.com/watch?v=7-wgWqbCOVI veja 5+ ERROS DE MULHER MADURA NA MAQUIAGEM POR ALICE SALAZAR by Alice Salazar. 17:25. Language: English Location: United States Restricted Mode: Off History Help About ... Mulher madura e a make olho preto!! - Duration: 13:18. Velha? É a vó! 446 views. 13:18. A menor mulher do mundo Meu Corpo, Meu Desafio l Discovery Brasil - Duration: 5:02. Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Aqui tem um link para você clicar e acessar meu WhatsApp Business, falar comigo, sanar suas dúvidas, mostrar makes, marcar uma aula particular e ter acesso a... Provided to YouTube by The Orchard Enterprises Mulher Madura · Frank Aguiar Forrozão da Rádio Imprensa ℗ 2004 Atração Released on: 2004-12-01 Music Publisher... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. 5+ ERROS DE MULHER MADURA NA MAQUIAGEM POR ALICE SALAZAR - Duration: 17:25. Alice Salazar 167,266 views. 17:25. MAKE BÁSICA PARA PELE MADURA - Duration: 29:13.